25/01/09

...um instante










A verdadeira mão que o poeta estende
não tem dedos:
é um gesto que se perde
no próprio acto de dar-se

O poeta desaparece
na verdade da sua ausência
dissolve-se no biombo da escrita

O poema é
a única
a verdadeira mão que o poeta estende

E quando o poema é bom
não te aperta a mão:
aperta-te a garganta


Ana Hatherly in O Pavão Negro, 2003


desenho de Antonio Saura

1 comentário:

JP disse...

O poeta não existe, morreu.
Foi atingido pela tristeza crónica e prolongada, abandonado pela poesia que lhe fugiu das veias e se esgotou por mais jovens perspectivas de criação.
Virtualmente, viveu sem construir e vegetou onde quer que se sonhe, sem a imaginação para conseguir realizar.

passearam no meu país...

Raríssimas...sabe o que é?

A minha "mais Kika"

A minha "mais Kika"

Dizer Não!!!

om

Alguns minutos de Boa Música

Loading...

www.endviolenceagainstwomen.org.uk